Segurança, otimização e cartões

Veja o relato de nosso Gerente sobre o terceiro dia da Conferência Latina sobre Cartões e Meios de Pagamento, organizada pelo IQPC, que reuniu 120 participantes de 20 países.

Fraudes em todo o mundo
Quanto maior o alcance da Internet, maior a incidência de phishing e hacking. As regiões menos conectadas são mais suscetíveis a roubos offline, como roubo de caixas eletrônicos e clonagem de cartões, entre outros. Mesmo meios de pagamento pré-pagos estão suscetíveis a fraudes de lavagem de dinheiro.

Otimização de marketing
Foi esse o tema da apresentação do Fabio Covacich, da Experian. Ele mostrou casos e como são feitos os modelos estatísticos usados para melhorar os resultados das campanhas de seus clientes. Uma abordagem muito parecida com o que as empresas de sistemas de risco adotam para evitar custos, mas, nesse caso, usadas para aumentar o resultado de vendas.

Alianças para vender cartões pré pagos
Jorge Lorenzo, diretor de meios de pagamento do Banco Nacional da Costa Rica mostrou as ações do banco público, que faz tudo internamente. Principais barreiras enfrentadas na criação do produto em parceria com uma cooperativa de restaurantes foi a falta de definição de parâmetros pelo cliente, contabilidade, canais de comunicação e atendimento, e principalmente a criação de uma cultura para aceitar o novo produto.

Gestão de risco em toda cadeia de meios de pagamento.
Camilo Gómez de Almacenes Éxito, maior varejista da Colômbia, mostrou a gestão usada na cadeia. Cada risco é classificado com probabilidade e impacto e mitigado em função do risco total. Toda a Éxito tem essa cultura e isso facilita a implementação da política de risco em meios de pagamento. O foco está em cultura e treinamento. São feitos cursos online para os quase 5 mil caixas, explicando em detalhes os procedimentos de segurança para diminuir os riscos no processo de pagamento e uso dos meios de pagamento. O foco é na cultura. Depois vem a tecnologia, processos e controle.

Atendimento eletrônico, automatização dos processos, baixo custo e alto alcance
Walther Reategui Vela, Presidente de Produtos ativos e meios de pagamento do Mibanco, no Peru, explicou como o banco faz crescer sua carteira de cartões para micro e pequenas empresas. Basicamente automatizaram toda operação, aprovando crédito em 7 minutos. É necessário qualificar o cliente, melhorar a conexão dos adquirentes e reduzir a taxa cobrada do estabelecimento – mas o principal é treinamento. A tecnologia automatizada permitiu aumento de receita aprovando rapidamente o crédito e cobrando multa e juros no momento do pagamento, online, sem precisar ir a um caixa bancário para fazer o cálculo.

Paypass da MasterCard é a sensação do pagamento fácil rápido e seguro
Kim Hangoc, Vice-Presidente de Gestão de Produtos do Centro de Excelência da MasterCard, mos o Paypass, leitores de cartões especiais para transações de baixo valor, com 70% das transações abaixo de US$ 25 já são realidade, que promete eliminar o troco. Trata-se de um cartão que não precisa ser inserido na máquina para ser reconhecido e o usuário fornece a senha, quando necessário. O gasto total aumentou até 40%; o volume de transações cresceu em até 50%; o tempo de espera em restaurantes caiu entre 10 e 40% e o tempo médio de processamento caiu; permitindo que o restaurante fast-food venda ainda mais. A cada 6 segundos economizados na fila, o McDonald´s vende 1% a mais.

O chip significa o fim da fraude no cartão de crédito
Hangoc também explicou que para evitar fraudes, MasterCard criou a solução CAP, Chip Autentication Process, que pede uma senha para o portador, não importando se a compra é com cartão presente ou cartão não presente. Zero fraude desde julho 2007, quando foi lançado. Barclays foi o primeiro cliente, em 2004, e no inicio só permitia para determinada faixa de valor e expandiu para diminuir suas perdas. Outro caso foi o KBC da Bélgica que começou a usar o CAP com SecureCode em 2008.