Classe C é metade dos e-consumidores

O aumento do poder aquisitivo dos brasileiros da classe C, formada por pessoas cuja renda familiar é de até R$ 3 mil, fez com que ela passasse a ter relevância para o comércio eletrônico. Hoje, esse público representa 52% dos consumidores que compram pela internet, de acordo com estudo da e-bit. Já as classes mais altas, com renda familiar acima R$ 3 mil, representam 24%.

O relatório revela que o tíquete médio das pessoas da classe C no e-commerce é de R$ 319. O Brasil encerrou o ano passado com 23 milhões de e-consumidores e o comércio eletrônico no país movimentou R$ 15 milhões, expansão de 40% na comparação com 2009. Os dados não consideram a comercialização de serviços.

Outro dado relevante mostrado pela pesquisa é a excessiva concentração do mercado de e-commerce no Brasil. Somente o estado de São Paulo responde por 40% do faturamento do setor.

Via TI Inside