Classe C movimenta R$ 273 bilhões na internet

Dollar Signs on Cathedral Street, spike55151, CC

Em encontro no ultimo dia 25 de maio, na Fecomercio, em São Paulo, Renato Meirelles, da Data Popular, revelou que a “nova classe média”, que inclui a classe C, movimenta R$ 273 bilhões por ano só com seus salários. Segundo Meirelles, “a internet radicalizou o poder de escolha e de comparação de preços e produtos que o controle da inflação concedeu há 15 anos”. Segundo ele, houve uma democratização da informação e, com ela, do poder de compra. “Há quatro anos, as pessoas se perguntavam se a classe ‘C’ estava na internet. Hoje, é impossível fazer qualquer plano de comércio sem considerar esta classe”.

Segundo estudos do instituto , a classe C é responsável por 78% do que é comprado em supermercados, 60% das mulheres que vão a salões de beleza, 70% dos cartões de crédito no Brasil e 80% das pessoas que acessam a internet. “Esta nova classe média movimenta R$ 273 bilhões na internet por ano somente com seu salário”, diz Meirelles. E isso não acontece só na internet ou no comércio eletrônico. Segundo dados da e-Bit, 50% das vendas realizadas no varejo tradicional são influenciadas por pesquisas de preço, opinião e informações sobre os produtos – tudo feito graças à internet.

Outra informação importante que surgiu durante o encontro foi de que o comércio eletrônico brasileiro já fatura mais que a soma dos shoppings de São Paulo, segundo a Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (e-PCCV). A inclusão digital deste batalhão de brasileiros, além de mais oportunidades para o empreendedor, faz surgir novos negócios: o crowdfunding (financiamento por muitos, em geral com valores pequenos) e o comércio justo foram dois exemplos mostrados durante o painel.

Para os vendedores, resta acompanhar a boa maré, otimizar seu site, atualizá-lo sempre. E fazer bons negócios com o PagSeguro.

Foto: spike55151, CC