Arquivo da tag: comunicação

Pensando a comunicação do seu e-commerce

Um detalhe muito importante mas sempre colocado em segundo plano é a preocupação com a comunicação da sua empresa.

Assim o primeiro passo é ter o apoio profissional para criar a identidade visual do seu negócio, com cores e símbolos que vão identificar seu negócio de forma única. Isso vai ajudar seus clientes a associarem rapidamente seu negócio.

Com a identidade visual você receberá um manual de uso de sua marca e pode já providenciar a padronização com o uso da identidade no seu site, assinaturas de e-mail e peças de e-mail marketing.

E nunca é demais lembrar que é importante que você tome cuidado com a descrição dos produtos e mensagem que manda aos clientes, que não podem ter erros ortográficos e gramaticais. Pode parecer um pequeno detalhe, mas vai fazer uma grande diferença na comunicação da sua empresa.

E não esqueça de usar os banners do PagSeguro na comunicação da sua empresa, assim todos os clientes vão perceber que sua empresa se preocupa com segurança das transações on-line.
Photo Credit: PŬRE ~ via Compfight cc

CEOs não usam redes sociais

Em tempos de boom das redes sociais, uma classe especial de executivos não parece estar muito preocupada com as novas mídias. De acordo com uma pesquisa do site CEO.com, apenas 19 dos principais executivos das 500 maiores empresas do mundo (listadas pela revista Fortune) estão no Twitter. Pior: apenas nove estão ativas.

Entre esses nove perfis “para valer”, destaque para o de Rupert Murdoch, que entrou no Twitter em janeiro e já tem 237 mil seguidores, perto da CEO da HP, Meg Whitman, com 243 mil. O investidor Warren Buffet, um dos homens mais ricos do mundo, obteve 100 mil seguidores com apenas um post.

Outros destaques da pesquisa:

  • O Linkedin é a rede preferida dos CEOs – 129 (25%) deles estão na rede para contatos profissionais.
  • Apenas 38 estão no Facebook, sendo que somente dois possuem mais de 500 amigos.
  • Só 4 estão no Google+, sendo que um, obviamente, é Larry Page (co-fundador do Google).
  • Nenhum está no Pinterest, a rede mais badalada do momento.
  • 70% dos principais CEOs do mundo não está em qualquer rede social.

Via: ComputerWorld. Crédito da imagem: Wade Courtney via Compfight.

Para você que usa as redes sociais para se comunicar com os seus clientes, não deixe de oferecer a melhor e mais segura forma de pagamento, o PagSeguro. Cadastre-se agora mesmo:

Birds and Shoes, e sua história com o PagSeguro

 

Birds and Shoes surgiu a 1 anos através da ideia da Paula Putz que usou sua paixão por moda e transformou-a em um negócio. Paula começou a vender camisetas criadas por ela pela internet, e escolheu como intermediador de pagamento para seu negócio o PagSeguro, pela facilidade e segurança.
Sua empresa deu super certo e neste vídeo ela conta um pouco de sua história de sucesso.

http://www.shopbirdsandshoes.com/
https://pagseguro.uol.com.br

Cruz e Ferreira usa e aprova o PagSeguro

A Cruz e Ferreira, empresa de Jacareí dirigida pelo jornalista Armindo Ferreira e suas sócias Juliana Cruz e Rosangela Oki, trabalha em comunicação digital no Vale do Paraíba, tanto produzindo conteúdo e realizando treinamentos, como organizando eventos. Armindo Ferreira conversou conosco sobre o uso que fazem do PagSeguro.

“A história com o PagSeguro começou em 2009, quando junto com um colega professor, criei o Social Media Vale do Paraíba. A ideia é trazer para cá informação sobre comunicação digital, afinal para qualquer coisa, a gente tinha que ir para São Paulo”, conta Armindo. Eles usaram o PagSeguro como meio de pagamento do evento e foi muito bom.

“Eu sou evangelizador do WordPress por aqui. Adoro a plataforma, acho muito boa e faço a maioria dos sites – inclusive o meu – com ela. Graças a um dos plugins do PagSeguro, o Shopping Cart, eu não precisei de programador para usar o PagSeguro: basta instalar o plugin e colar duas linhas de código ou um widget que o carrinho está pronto. A integração é perfeita e funciona muito bem”, diz.

A partir daí, Armindo se entusiasmou. Ele usa o sistema para gerenciar o pagamento de seus treinamentos e também para todos os eventos que inventa no interior. O último foi o Comunicavale 2011, que reuniu profissionais locais e de outras cidades do Brasil para discutir comunicação. “PagSeguro é dor de cabeça zero”, diz Armindo.

E a gente, aqui, fica feliz por ajudar mais um empreendedor a ter sucesso – e espalhar conhecimento por aí.

Uma nova análise das redes sociais para 2011

Todos os anos, a Ignite, agência de mídia social, faz uma pesquisa profunda sobre o uso das mídias sociais. Os efeitos do crescimento do Facebook já se manifestam no estudo que foi divulgado em abril sobre o comportamento das pessoas nas mídias sociais. A análise inclui várias redes que estão fora do radar dos empresários brasileiros e mostra diversas boas descobertas para o marketing e a comunicação. Acima você vê um trecho do relatório, em forma de gráfico.

As redes em alta são:

  • Tumblr – plataforma de blogs rápidos, cujos posts são replicados com facilidade.
  • Weibo – Um concorrente do twitter, lançado pelo maior portal chinês em 2009.
  • Reddit – Rede de indicação de notícias e votação.
  • StumbleUpon – rede onde sites são indicados por amigos e pessoas que gostam das mesmas coisas que o usuário.
  • LinkedIn – rede de contatos profissionais. A única que tem presença no Brasil.

O mais interessante é saber por onde andam os internautas por sexo, idade e educação. Afinal, quando você quer conversar, saber onde o público está é ouro! Para realizar o estudo, eles usaram os dados do Google e fizeram os cruzamentos. Se você lê inglês, vale a pena baixar o PDF.

7 dicas para um layout eficiente no e-mail marketing

O blog PagSeguro te oferece algumas dicas importantes para você fazer de seu e-mail marketing muito mais eficiente. O layout do e-mail marketing é tão importante quanto seu conteúdo, pois as pessoas se impressionam com o visual em primeiro lugar, antes mesmo de dar uma olhada na mensagem. Siga estas dicas para melhorar seu e-mail marketing e aumentar sua produtividade.

1.       Não coloque uma imagem grande e impactante na sua mensagem.
Na maioria das vezes, as pessoas recebem um e-mail com uma imagem bloqueada e a famosa frase “Clique aqui para exibir a imagem”. Isso acontece porque a maioria dos e-mails reconhece alguma mensagem com esse tipo de imagem como spam. E poucas pessoas realmente clicam para exibir a imagem.

2.       Nem sempre é bom usar a mais moderna versão de Html.
Seu e-mail irá para diferentes pessoas. Pessoas que usam diferentes tipos de programas de e-mail – diversas versões do Outlook, Eudora, Thunderbird, Apple Mail – além de Web Mails, como Gmail, Hotmail, Yahoo, Uol, entre outros), sendo que nem todos têm o suporte necessário às últimas e modernas versões de Html. Ou seja, deixe seu código de html o mais básico possível, para que não sofra alterações no layout indesejáveis.

3.       Coloque a informação mais importante onde seu cliente veja.
Como em outras mídias, o e-mail tem o seu lugar “nobre”, o local onde tem maior visibilidade, onde as pessoas primeiro batem o olho. No caso do e-mail, é o painel de leitura este lugar. O painel de leitura é a área de 3 cm a 5 cm que o usuário irá ver do e-mail recebido, sem abri-lo. Portanto, use essa área de forma consciente, evitando usar algum logo enorme de sua empresa e convencendo o internauta a ler o restante do e-mail.

4.       Seja prudente na hora de colocar imagens.
Como visto no item 1, muitas vezes o cliente não visualiza as imagens de sua mensagem. Portanto, use imagens pequenas e um layout simples, afinal uma imagem grande pode ser percebida como spam. A melhor prática é hospedar suas imagens em um servidor na web e inseri-la como código em seu html.

5.       Coloque links no corpo da sua mensagem.
Muitas pessoas colocam os links somente em imagens. Não fique restrito a isso, coloque links no seu texto, seja em forma de botões ou em palavras-chave. Por exemplo: Conheça as vantagens do PagSeguro.

6.       Você pode descrever suas imagens.
Já que as imagens nem sempre são mostradas, há uma forma de tentar chamar a atenção do usuário colocando uma descrição para estimular as pessoas a exibi-las. Existe um atributo da tag ,<img> chamado “alt”, o uso deste atributo no código html fará mostrar ao lado do inconveniente “x” vermelho a descrição da imagem, aumentando a chance do cliente abrir.

7.        Não abuse de animações no e-mail.
Conforme dito no item 2, nem todos possuem o suporte bom para as últimas versões de Html. Evite colocar animações em gif ou flash. Faça um layout limpo e simples, para atingir o maior número de pessoas possível.

Via iMasters

Email marketing com conteúdo, por favor!

Um estudo feito pela Inova Tecnologias mostra números interessantes sobre o gosto do brasileiro em relação ao e-mail marketing. De acordo com a pesquisa, 76% dos consumidores brasileiros gostam de receber e-mails com ofertas, desde que tenham algum assunto relevante, não apenas propaganda. Quando não há assunto, apenas 45% dos consumidores aprovam a ideia de receber e-mail com alguma propaganda de produto ou serviço.

Os fatores que mais levam os consumidores a marcar um e-mail como spam é justamente a falta de algum conteúdo no corpo do e-mail. Segundo a pesquisa, a maioria dos entrevistados marcaria como spam e-mails com predominância de anúncios publicitários.

Outro número importante é sobre frequência que os consumidores gostam de receber e-mails. 38% preferem receber mensalmente, enquanto que 25% preferem semanalmente. São alguns números que mostram às empresas a estratégia certa para atrair a clientela, sem afugentá-la com panfletagem eletrônica.

Via E-commerce News

O que fazer em caso de “crise” nas redes sociais

Entre 2010 e hoje, dois casos de “crise” apareceram nas redes sociais pelas mãos de brasileiros. O primeiro foi o protesto de um cliente da Brastemp, que com o vídeo “Não é uma Brastemp” havia conseguido mais de 755 mil visualizações no YouTube. Mês passado, uma cliente da Renault chegou à imprensa com o site www.meucarrofalha.com.br – que tinha canais de vídeo, Twitter, Facebook e blog. Tudo porque, em vez de resolver o problema da cliente primeiro, a empresa entrou na justiça e conseguiu liminar para tirar o site do ar.

No fim das contas, será que vale a pena tentar jogar os problemas para baixo do tapete? Evitar uma lavagem de roupa suja no meio da rua e encontrar uma solução da forma mais rápida possível é, sem dúvidas, a regra velha para situações de crise. Nas redes sociais, entretanto, tentar abafar o caso a qualquer custo tende a piorar as coisas.

“Uma das regras de ouro na web é a transparência. Uma vez publicado um comentário, não há como apagá-lo ou retirá-lo da rede. A melhor saída nesses casos é abrir um canal de comunicação com os internautas, dialogar e resolver o problema de maneira rápida”, explica Marcos Morita, professor de estratégia e marketing da Universidade Mackenzie.

Morita cita como exemplo positivo um caso recente que envolveu a rede de lojas Renner em uma polêmica no Twitter. O motivo foi a foto de um casaco exposto no mostruário de uma das suas unidades, que tinha uma estampa supostamente alusiva a uma banda neonazista. “A Renner tomou as medidas cabíveis numa situação como esta: reconheceu a falha, pediu desculpas, retirou os artigos e manteve um canal direto com o público”, explica o professor.

Evitando um nocaute

Para o coordenador do MBA em Branding da Trevisan Escola de Negócios, Marcos Hiller, as empresas estão com a guarda aberta e o consumidor é um ótimo pugilista. Segundo ele, não adianta bater de frente, mesmo que o consumidor não tenha razão. “Ainda não existe receita de bolo de como se agir nessas situações. Cada caso é um caso. Estourou a bomba, minha recomendação é: acione a sua área de crise, o gerente do produto, o seu relações públicas, coloque todos numa mesa e trace um plano de ação transparente e rápido”, diz Hiller.

“Credibilidade e reputação são os maiores valores de uma pessoa ou empresa na Internet. Abafar algo ou agir de maneira unilateral e imperativa só irá expandir a decepção pela marca para um maior número de outros usuários e possíveis clientes”, afirma o especialista em mídias sociais Eduardo Marques.

“As empresas precisam estar preparadas para uma geração que só está começando a pegar o gosto por reclamar. Hoje, mais prático e efetivo do que quebrar um produto em frente a uma loja como forma de protesto, é utilizar-se das ferramentas virtuais disponíveis para mostrar a todos a sua insatisfação”, complementa Marques.

Via Administradores