Arquivo da tag: consumidor

Entendendo o comportamento do consumidor

impulso digital

Para criar um planejamento estratégico certeiro para a sua empresa, é vital entender o comportamento dos seus consumidores. Não é um assunto simples, pelo contrário. É complexo e, muitas vezes, parece subjetivo, mas já foi tema de vários estudos. Assim, foram encontradas variáveis eficazes para entender os seus clientes. Esses fatores de influência foram divididos em 4 grupos: cultural, social, pessoal e psicológico. O PagSeguro vai te explicar melhor cada um deles.

Culturais
Cultura – É o conjunto de valores, percepções, preferências e comportamentos que cada pessoa adquire através da vida em sociedade.

Subcultura – É composta por um conjunto de características de grupos sociais menores. A cultura é mais ampla que a subcultura. São bons exemplos de subcultura religiões, grupos raciais, regiões geográficas, etc.

Classe social – Composta por um grupo de pessoas enquadradas num mesmo extrato social, que tem valores, interesses e comportamentos similares.

Sociais
Grupos de referência – Grupos de pessoas que influenciam os sentimentos, pensamentos e comportamentos do consumidor. Para resumir, são os formadores de opinião.

Família – O grupo de referência que tem maior influência no consumidor.

Papéis e posições sociais – As pessoas participam de grupos e assumem papéis e posições sociais. Isso faz com que escolham produtos que representem seu status e papel na sociedade.

Pessoais
Idade e estágio do ciclo de vida – Necessidades e desejos mudam ao longo da vida e variam de acordo com o estágio pelo qual o consumidor está passando.

Ocupação – A profissão influencia diretamente nos padrões de consumo de cada um.

Condição econômica – Composta por patrimônio, poupança, renda disponível e condições de crédito de cada consumidor.

Estilo de vida – É expresso nas atividades, interesses e opiniões dos clientes. Consumidores se associam a marcas de acordo com o posicionamento delas.

Personalidade – Característica individual que, certamente, influenciará o comportamento de compra. Existe uma forte relação entre certos tipos de personalidade e escolhas de consumo.

Psicológicos
Motivação – É o desejo que leva o consumidor a satisfazer suas necessidades e desejos através de compras.

Percepção – É o processo em que o indivíduo seleciona, estrutura e decifra as informações recebidas.

Aprendizagem – É o conhecimento adquirido pelo consumidor através de suas experiências. Uma experiência passada pode mudar o comportamento de compra.

Crenças e atitudes – É o posicionamento psicológico, negativo ou positivo, do consumidor diante das escolhas de consumo.

São muitos fatores e você não precisa decifrar cada um deles em todos os consumidores. Mas sempre vale a pena observá-los. Será que, por trás do comportamento deles na hora da compra, você não consegue entender suas motivações e criar ofertas certeiras? Agora que você já conhece as principais variáveis do comportamento do consumidor, faça observações e coloque o seu conhecimento em prática!

Fonte: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/Entenda-o-comportamento-dos-consumidores

Os quatro tipos de consumidores do ecommerce

Credit CardsCreative Commons License Andres Rueda via Compfight

A Pitney Bowes fez um estudo nos Estados Unidos, França, Alemanha e Reino Unido e chegou a quatro tipos de consumidores do e-commerce a partir dos dados que compartilham ou não na rede.

O tipo íntimo é o de maior percentual de rejeição de compartilhamento na internet: 76% não informam convicção política, 71% não estão dispostos a compartilhar a religião, 54% não falam a etnia e 45% não dizem a preferência sexual.

O tipo “quero segurança” é o segundo mais frequente. Entre eles, 40% estão dispostos a compartilhar número do cartão de crédito, 38% divulgam o número do celular e 36% respondem sobre o rendimento.

No tipo físico, os percentuais de rejeição são baixos, porém 24% não informam o peso, 23% não dizem o número de telefone residencial e 22% não compartilham sua altura.

Os entrevistados do tipo transacional também não veem problema em dizer data de nascimento, com apenas 10% de rejeição, endereço postal, com 13%, e-mail, com 14%, e dados bancários, com 22%.

Segundo o relatório da pesquisa, produzido pela Forrester Research Inc., embora se preocupem com a coleta e utilização dos dados online, os consumidores continuarão fornecendo-os e realizando tarefas na rede se perceberem algum benefício.

Via: Administradores.

A palavra é experiência de compra


Creative Commons License Photo Credit: Squirrelly Mae via Compfight
Você já ouvir falar no termo experiência de compra? Uma definição possível para a expressão é o sentimento ou sensação que o comprador tem da hora que ele vai escolha do produto que quer comprar até a hora que ele recebe e usa a mercadoria e/ou serviço.

Normalmente todo processo de compra começa com a identificação de um problema ou de uma necessidade do consumidor. Após isso a próxima etapa é o levantamento de informações sobre qual melhor produto irá atender esta demanda e aí vem à escolha do melhor local de compra.

Continue lendo

Inclua os novos e-consumidores na sua estratégia de marketing

e-mail symbol, Micky, CC
A inclusão de novos usuários na internet brasileira não para. Se no início o e-commerce brasileiro vendia basicamente livros e CDs, hoje até vestido de noiva está na lista dos consumidores online. Os sinais da mudança aparecem em pequenas informações. Em 2011, o segmento de moda figurou pela primeira vez entre as cinco categorias mais vendidas no Dia dos Namorados. Acessórios para a prática de esportes, utilidades domésticas e até peças automotivas ganham espaço nas vendas.

Segundo as pesquisas do e-bit, que monitora o setor permanentemente, para o segundo semestre de 2011 os tablets serão as estrelas, com vários modelo inclusive fabricados no Brasil.
Os consumidores online têm comportamento muito semelhante – e não importa muito classe social, país. Os principais interesses são comunicação, lazer e compartilhamento – como já mostramos na pesquisa sobre o perfil dos internautas.

Segundo a última pesquisa do e-bit, 49% dos consumidores se sentem “mais seguros” enquanto 21% se sentem “muito mais seguros” para fazer compras online. E 81% dos entrevistados acessam a internet para fazer compras.

Claro que o sucesso do seu negócio online está com a maioria. Ela atende pelo nome de “classe C”, os “emergentes”. E lembre, na sua estratégia: eles têm todo cuidado ao comprar online. Daí a necessidade de oferecer todos os selos e certificações de segurança. Aproveite para caprichar na usabilidade e acessibilidade de seu site, facilitando a vida dos seus clientes.

Também é importante estabelecer uma comunicação direta com estes clientes. Seja claro, converse, escute, resolva problemas e demandas. Segundo pesquisa do Ibope, a classe C confia em propaganda bem feita – e também nas celebridades. Se a sua verba não dá conta do global do momento, as mídias sociais ajudam, principalmente se forem integradas com outros meios. Multicanal não é só para a venda, é também para o marketing.

A fidelização destes clientes será consequência de suas ações. É preciso criar presença online; oferecer facilidade no fechamento da compra (e todas as formas de pagamento possíveis); preço competitivo; um leque grande de produtos; um atendimento de pós-venda eficiente e uma boa experiência de compra.

Todos nós trabalhamos para que o comércio eletrônico brasileiro seja potente e brilhe ainda mais. O próximo passo, parece, é começar a pensar em como resolver o nó da logística – já que as entregas continuam sendo o ponto sensível do negócio.

Com informações do E-Commerce Blog, imagem: Micky, CC

8 dicas sobre o comportamento da classe C na internet

Pesquisa da WMcCann traçou o perfil dos internautas da classe C e estabeleceu oito pontos sobre estes 80 milhões de pessoas na América Latina. A conclusão global? Os consumidores emergentes não têm hábitos de navegação diferentes da classe média tradicional. Hoje, o nível de maturidade entre os dois segmentos de mercado é bastante parecido – e as atividades mais frequentes são a comunicação, o lazer, a interação e o compartilhamento. A pesquisa define como “verdades” estes pontos e os classifica com afirmações. O levantamento é resultado de 3.050 entrevistas, realizadas em 26 cidades de cinco países (Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica e México), entre janeiro e fevereiro de 2011.

1. “A internet está tornando o sonho de Che Guevara real”. Segundo o levantamento, o aumento do uso do meio digital promove igualdade social de forma mais rápida do que o aumento da renda e da qualidade da educação.
2. “Ajuda oficial – nem sempre necessária na vida, tampouco na web”: Esta é a segunda verdade classificada pela pesquisa e indica que o consumidor emergente vem desenvolvendo um alto nível de autonomia e independência no mundo digital.
3. “Não espere o óbvio. Esta é a terra do ‘jogo bonito'”, que aponta para uma mudança no uso original das plataformas online. Quando perguntados se as redes sociais são apenas para relacionamentos, por exemplo, os entrevistados informaram que também as utilizam para negócios, carreira e família.
4. “Vive-se melhor, mas ainda há muito pelo que se rezar”, refere-se ao espaço que pode ser preenchido pelas marcas que desejam construir vínculos mais fortes com este consumidor.
5. “Melhores pais, melhores filhos”, mostra que para os emergentes, a 6. “Internet e sedentarismo não combinam. Jura? Juro!”, os internautas da classe C também veem o digital como um aliado para a adoção de hábitos mais saudáveis
7. “Marcas são musas. Pessoas são juízes” e chama a atenção para o fato de que as marcas inspiram e as pessoas comuns e seu endosso são as melhores fonte para validação.
8. “Comprar bem é a bela, gerenciar é a fera”, e sugere que o “brilho” de uma compra bem feita pode deixar os consumidores emergentes “cegos” diante das outras possibilidades da internet para ajudar em suas finanças. Gerenciar o dinheiro, por exemplo, assustaria e afastaria as pessoas.

via: E-Commerce Blog – imagem: Daquella manera

Conta PagSeguro: as vantagens para quem compra

PagSeguro

Não precisa ser cadastrado no PagSeguro para comprar pelo nosso sistema. Entretanto, quem tem sua conta no PagSeguro tem, sim, mais vantagens na hora de comprar:

  • Sua compra entregue ou seu dinheiro de volta;
  • Contas PagSeguro verificadas têm mais limite;
  • Você pode cadastrar seus cartões previamente e fazer sua compra de forma mais rápida;
  • Pode também receber dinheiro pelo PagSeguro – e usar seu saldo em pagamentos de compras ou serviços.
  • Pode comprar com segurança em milhares de lojas online

Para criar seu cadastro, clique aqui e preencha todas as informações.

Classe C movimenta R$ 273 bilhões na internet

Dollar Signs on Cathedral Street, spike55151, CC

Em encontro no ultimo dia 25 de maio, na Fecomercio, em São Paulo, Renato Meirelles, da Data Popular, revelou que a “nova classe média”, que inclui a classe C, movimenta R$ 273 bilhões por ano só com seus salários. Segundo Meirelles, “a internet radicalizou o poder de escolha e de comparação de preços e produtos que o controle da inflação concedeu há 15 anos”. Segundo ele, houve uma democratização da informação e, com ela, do poder de compra. “Há quatro anos, as pessoas se perguntavam se a classe ‘C’ estava na internet. Hoje, é impossível fazer qualquer plano de comércio sem considerar esta classe”.

Segundo estudos do instituto , a classe C é responsável por 78% do que é comprado em supermercados, 60% das mulheres que vão a salões de beleza, 70% dos cartões de crédito no Brasil e 80% das pessoas que acessam a internet. “Esta nova classe média movimenta R$ 273 bilhões na internet por ano somente com seu salário”, diz Meirelles. E isso não acontece só na internet ou no comércio eletrônico. Segundo dados da e-Bit, 50% das vendas realizadas no varejo tradicional são influenciadas por pesquisas de preço, opinião e informações sobre os produtos – tudo feito graças à internet.

Outra informação importante que surgiu durante o encontro foi de que o comércio eletrônico brasileiro já fatura mais que a soma dos shoppings de São Paulo, segundo a Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (e-PCCV). A inclusão digital deste batalhão de brasileiros, além de mais oportunidades para o empreendedor, faz surgir novos negócios: o crowdfunding (financiamento por muitos, em geral com valores pequenos) e o comércio justo foram dois exemplos mostrados durante o painel.

Para os vendedores, resta acompanhar a boa maré, otimizar seu site, atualizá-lo sempre. E fazer bons negócios com o PagSeguro.

Foto: spike55151, CC

E-consumidores não têm paciência diz estudo

By the grace of God, Dirk Dallas, CCFoto: Dirk Dallas, CC

Um estudo recente da empresa de aplicativos Gomez indica que os consumidores brasileiros online estão cada vez mais impacientes com sites e aplicativos móveis de e-commerce que se mostrem lentos ou pouco confiáveis. Veja as conclusões e trabalhe para melhorar a sua velocidade (e conversão)

  • 32% dos consumidores abandonam o site em até 5 segundos se ele demorar para carregar.
  • 67% dos entrevistados disseram que encontram sites lentos pelo menos uma vez por semana, e isso frustra a experiência de compras.
  • A lentidão faz com que 37% considere não voltar a visitar o site.
  • 27% dizem que um site lento aumenta a possibilidade de visitar um site concorrente.
  • Mais de 80% dos usuários disseram que já enfrentaram algum problema com um site comercial – como completar uma compra ou realizar uma transação.
  • 47% disseram que abandonam o site quando não conseguem completar a tarefa que desejavam.

Entre os usuários móveis:

  • 67% dos consultados disseram que usam um aparelho móvel para navegar na web e fazer compras.
  • 17% disseram que não esperam mais do que 5 segundos para um site carregar no celular, depois abandonam o site.
  • Metade dos usuários móveis espera que os sites no celular carreguem tão ou mais rapidamente do que no PC.
  • Os usuários móveis dizem que os dois maiores problemas dos sites de e-commerce em celulares são a velocidade de carregamento e a formatação inadequada, que deixa o site difícil de ler ou de navegar no aparelho móvel.
  • Para 20% desses usuários, os piores problemas são sites que travam ou que ficam fora do ar.

Conclusão óbvia: melhore o desempenho de seu site e aumente suas vendas.