Arquivo da tag: ong

Fundação Abrinq faz flashmob contra o trabalho infantil

 

Flashmob ocorreu na Avenida Paulista

12 de junho foi o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, e neste último (terça-feira) a Fundação Abrinq realizou um flashmob em frente ao vão livre do Masp, na Avenida Paulista para conscientizar e coletar assinaturas contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 18/2011, que diminui a idade mínima para trabalho para os 14 anos.

Em aproximadamente 1h, foram coletadas mais de mil assinaturas para o abaixo assinado, além da divulgação e conscientização das pessoas para essa causa. O PagSeguro parabeniza a Fundação Abrinq pelo objetivo e manifesta o apoio à causa.

Adote um Gatinho usa o PagSeguro para receber doações

 

Apaixonadas por gatos e solidárias a todos os animais abandonados, as amigas Susan Yamamoto e Juliana Bussab fundaram a Adote um Gatinho, sem o intuido de virar ONG mas com a popularidade e a aceitação de muitas pessoas o projeto se transformou em uma ONG respeitada.

Com este crescimento, foi necessário facilitar o recebimentos das doações e foi ai que o PagSeguro se transformou na forma de captação das doações da Adote um Gatinho.

A Adote um Gatinho utiliza o PagSeguro para receber suas doações. Conheça a ONG, ajude a causa e utilize as taxas especiais do PagSeguro para ONGs.

 

Se você também quer ser um parceiro PagSeguro, basta se cadastrar. É grátis:

Fundação Abrinq, Save the Children em ação contra o trabalho infantil

O dia 12 de junho é o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. A Fundação Abrinq – Save the Children,  irá realizar um flashmob para a combate e a conscientização das pessoas sobre o problema do trabalho infantil no Brasil.
O evento contará com a participação de celebridades, parlamentares da Comissão da Criança e do Adolescente, funcionários e parceiros da Fundação Abrinq irão distribuir panfletos e outros informes em semáforos da cidade de São Paulo e outras do país, conscientizando e mobilizando a população sobre essa data e sobre o que ela significa.
Se você que mora em São Paulo quiser participar, a reunião das pessoas será feita no vão livre do Masp (av Paulista). A manifestação também colherá assinaturas contra a PEC 18/2011 que solicita uma nova redação do sétimo artigo da Constituição Federal, autorizando a redução da idade para o trabalho para 14 anos.
Participe!
Quando: 12 de junho
Horário: 12h00 ás 13h00
Onde: Av Paulista – vão livre do Masp.Para mais informações acesse: http://www.fundabrinq.org.br/portal/campanhas/nossas-campanhas.aspx

ONGs Viva Cazuza, Fundação Abrinq e Projeto Guri em parceria com o PagSeguro

 

O PagSeguro entender que é de extrema importância um relacionamento mais próximo com as ONGs, por isso oferece condições especiais para que elas possam disponibilizar seus produtos e serviços pela internet, além de receber doações de forma rápida e segura.

Conheça um pouco sobre as ONGs Viva Cazuza, Fundação Abrinq e Projeto Guri que são parceiras do PagSeguro e sabia sobre suas experiência e benefícios na utilização de um intermediador de pagamentos que facilita o processo de doação tanto para a ONG, quanto para o doador.

Participe do leilão de uma camisa do Santos autografada

O Toda Oferta, site de compras e vendas do UOL está com uma ação muito legal! É o Leilão Solidário, uma iniciativa para ajudar a ONG Clube dos Vira-Latas neste Natal, que cuida de cães e outros animais de estimação que sofreram acidentes, maus tratos, que foram abandonados. Atualmente contam com mais de 400 animais.

Foto do site da ONG Clube dos Vira Latas

E, ao ajudar, você pode levar  uma camisa do time do Santos autografada pelos próprios jogadores, entre eles Léo, Elano, Ganso e o craque Neymar! Acesse o site do Toda Oferta, faça o lance pela camisa e ajude os animais a terem um Feliz Natal!

Site da ONG: http://www.clubedosviralatas.org.br/
Toda Oferta: http://todaoferta.uol.com.br/

Entrevista: Cão sem Dono

Cão Sem Dono

Cão Sem Dono é uma ONG que existe há quatro anos para retirar cachorros das ruas e lutar contra o abandono de animais. Para se ter uma idéia, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, há mais de 1,4 milhão de animais abandonados no município de São Paulo. O trabalho da equipe, é conscientizar as pessoas, realizar mutirões de castração em comunidades carentes e resgatar os cães abandonados.

Os “sortudos” que são retirados das ruas ficam num lar transitório instalado em um sítio com 20 canis, onde recebem primeiros cuidados, consulta veterinária, castração, vacinação e vermifugação. Depois de estarem com a saúde 100%, os cachorros são oferecidos em feiras de adoção. Como todos os que trabalham nesta área, a Cão sem Dono luta com a falta de recursos e insensibilidade. No fim de maio, a ONG marcou mais um gol, com a conquista de uma feira permanente que acontece todos os sábados, na Cobasi Morumbi (Av. Giovanni Gronchi, 5411), das 11h às 20h.

Hoje o que o mais o Cão Sem Dono precisa é de novos parceiros que possam oferecer espaços em suas lojas para a instalação de outros pontos de adoção e patrocinadores para suas feiras de adoção. Uma feira como a da Cobasi custa R$ 6.000,00 por mês. Conversamos com o seu fundador, Rafael Miranda, para conhecer melhor o seu trabalho.

Vocês têm quase 200 cães abrigados, quanto custa manter todos estes animais?
Não é fácil manter esses animais e toda a estrutura que temos hoje. São 196 cães dentro do lar transitório o custo para manter cada animal é de R$ 170,00 reais. São quase R$ 30.000.00 (trinta mil reais) por mês.

A loja e as doações dão conta das necessidades da ONG?
Infelizmente, não. A loja ajuda, as doações são fundamentais, mas ainda não conseguimos chegar ao valor que precisamos para pagar todas as despesas que tempos. Nossa arrecadação total chega a R$ 25.000.00, ou seja, gastamos mais do que arrecadamos e todos os meses estamos no vermelho. Mas, graças a Deus, nunca faltou nada para os nossos animais.

Manter o site ajuda no trabalho?
Claro, o site é o nosso cartão de visita. Pessoas em outros estados ou países que não podem vir aqui visitar e conhecer, podem fazer essa visita pelo site. Além disso, ele dá mais credibilidade ao nosso trabalho, mostra um pouco mais do Cão Sem Dono, ajuda na arrecadação das doações e é lá que funciona a nossa loja virtual, já que não temos dinheiro para manter uma loja fixa. E o mais importante: é por lá que saem a maioria de nossas adoções, pois em geral, o primeiro pedido de adoção é via site.

Por que as pessoas resistem a adotar – e continuam a preferir cachorros de raça?
Na verdade essa postura está mudando, diria até que bastante rápido. A Cão Sem Dono, por exemplo, doa mais animais do que os nossos próprios parceiros quem vendem animais de raça. Dividimos o mesmo espaço e doamos mais do que eles vendem. E olha que estamos no Morumbi, um bairro onde as pessoas tem poder de compra. Muitas das pessoas compram animais de raça porque não sabem que existem animais para adoção.

A conquista da feira permanente de adoção na Cobasi Morumbi ajudou? Quantos cães já foram doados por lá?
Tudo ajuda. Esse espaço que conseguimos na Cobasi do Morumbi era um sonho pra gente, queríamos um espaço permanente, mas todos os locais onde fazíamos feira não ofereciam uma estrutura boa e segura para os nossos animais. Conseguimos doar até agora 20 animais na Cobasi. É um número muito bom pra quem está lá há menos de um mês. Sem contar as doações que ganhamos dos clientes da loja – muitos já tem animais e não podem adotar, então ajudam doando um saco de ração.

ONG Sea Shepherd Guardiões do Mar, um cliente PagSeguro

Adriano Echeverria, diretor de comunicação da ONG Sea Shepherd Guardiões do Mar, conta que escolheu o PagSeguro para ser a ferramenta oficial da instituição para receber doações e captar recursos para preservar a vida marinha. Ele destaca a facilidade e a simplicidade do serviço, além da segurança, da credibilidade que a marca UOL oferece e da possibilidade de receber o valor integral antecipadamente enquanto os internautas possuem o benefício de pagar parcelado.

SOS Fauna: resgatando animais silvestres

SOS Fauna

O PagSeguro sempre tem prazer e orgulho de apoiar ONGs e seus desafios. Uma delas é a SOS Fauna Brasil, mantida por Marcelo Pavlenco Rocha, ex-comerciante, de 46 anos e seu “exército de Brancaleone”, como ele define. O trabalho desta turma é garantir que animais silvestres apreendidos sejam bem tratados e reintegrados ao seu habitat natural.

Tudo começou em 1999, mais ou menos, quando Marcelo ainda era comerciante e vivia no Capão Redondo, bairro da periferia paulistana. Por lá, conviveu com a “malandragem e tudo o que não presta”, como diz. Graças à proximidade com pessoas que praticavam tráfico em pequena e média escala, passou a levantar informação sobre locais de cativeiro e repassá-las, anonimamente, às instituições responsáveis.

De lá para cá, Marcelo reuniu muitas decepções e algumas boas vitórias. Conseguiu flagrantes do tráfico de animais, lutou para colocar os traficantes na cadeia. Tudo isso praticamente sozinho, algumas vezes com apoio de outras ONGs, outras com a resistência de gente que acha que sabe mais.

“Dizem que para cada animal apreendido, morrem 10. Mentira. Para o traficante, o bicho é dinheiro, ele não quer que sua mercadoria morra”, conta. A boa fase da SOS Fauna veio em 2004, quando recebeu dez mil dólares do Discovery Channel para produzir um documentário sobre seu trabalho. Como resultado, Marcelo largou tudo, mudou-se para Juquitiba, no Vale do Ribeira, em São Paulo, e criou o centro de manejo. Pela primeira vez conseguiram levar 30 aves de volta para a Bahia.

“Reintegrar não é tão simples quanto pode parecer. Há uma questão sanitária, mas também a genética. É preciso muito cuidado”, diz. De 2004 para cá, Marcelo luta para conseguir os cerca de vinte mil reais de manutenção do centro de manejo e continuar mandando os animais de volta a seus habitats. “Ainda trabalhamos as conseqüências. É preciso agir também nas causas”, conta. Pobreza, cultura e falta de políticas firmes impedem que o fluxo de animais das regiões de captura – uma das principais é a Bahia – pare.

Graças à descoberta do PagSeguro, agora Marcelo quer implantar um programa de associados bem gerenciado e conseguir ter um fluxo financeiro mais consistente. Não há como esquecer os parceiros que o ajudam a manter o trabalho: a UPS e a Pizzaria Murimarelo, de S. Paulo, que permite o uso de seu salão para eventos beneficentes.

Vale a pena colaborar. Você pode se associar ou simplesmente enviar qualquer contribuição através do nosso sistema.